Capoeira luta para regulamentar sua profissão


Ato pela regulamentação da Capoeira em Porto Alegre - RS
Camaradas, durante muitos anos a nossa Capoeira vem se destacando em todo o mundo, levando para os mais diversos cantos do planeta as nossas culturas e divulgando, assim o nosso idioma. Mas isto ainda não é reconhecido como deveria pelo poder público constituído, e, muitas das vezes, nem o (a) próprio (a) capoeirista reconhece o valor que tem.

Quantos de nós já realizamos grandes eventos de Capoeira; quantos de nós já realizamos ou trabalhamos em um programa social em que utilizamos a nossa Capoeira como forte instrumento de transformação? Com certeza muitas vezes.

Só camaradas, que agora chegou a vez de incluirmos socialmente os Mestres (principalmente) e demais profissionais que trabalham com a nossa Capoeira em programas de Estado. É chegada a hora do Governo Brasileiro, em todas as sua esferas, nos dar o valor que temos direito. Muitos Mestres de Capoeira morreram na miséria no passado e muitos, ainda no dia de hoje, estão morrendo também.


Desde 2002 foi criado um Projeto de lei na Cãmara Federal (Câmara dos Deputados, em Brasília), de autoria do deputado Arnaldo Faria de Sá (PL 7150/2002) criando a profissão de Capoeira. Este Projeto de lei encontra-se hoje no Senado Federal engavetado desde 2009, tendo como número PLC 31/2009 (Projeto de Lei da Câmara). E porque está engavetada? Porque o nosso seguimento não se uni para fazer pressão no Congresso para que a nossa profissionalização saia do papel.

Será que teremos que continuar vendo Mestres e Mestres e mais Mestres de Capoeira por esse Brasil afora e no exterior mendingando para levar a nossa Capoeira aos patamares que hoje ela chegou? Continuaremos a ficar calados, aceitando que muitos morram sem terem direito a uma aposentadoria digna por parte do Estado?

Precisamos reagir a este descaso. Não adianta vir com discurso dizendo que a Capoeira é a maior resistência da Cultura negra no mundo, que a nossa Capoeira está em mais de 150 países, que somos mais de 8 milhões de praticantes se, na hora de reivindicarmos os nossos direitos, não nos unimos para isso.

Chegou a hora de fazermos pressão junto aos senadores para que a nossa profissionalização saia do papel. Vamos acessar o site www.senado.gov.br e encher a caixa de e-mails dos senadores cobrando os nossos direitos.

A hora é essa, a hora é essa! Contamos com o apoio de cada um, cada uma de vocês.

Abraços. Iê!!!!!!!!!!!!!

Mestre Paulão
em defesa de nossa profissionalização