Capoeiristas e prefeitura urbanizarão praça

18/04/2009

Da Redação

Integrantes da Casa da Capoeira e moradores do Jardim Marambá, Jardim Contorno, Vila Engler e dos condomínios Parque das Camélias, Residencial Flamboyants, Jardim dos Duques, Resedás, Vila Verde, Vila Grená e Monte Castelo se reuniram, ontem à noite, com os secretários municipais do Planejamento, Rodrigo Riad Said, e do Meio Ambiente, Valcirlei Gonçalves da Silva, para discutir a urbanização da Praça Mestre Bimba. A área verde foi, recentemente, adotada pela Casa da Capoeira.
A proposta é, através de parceira entre a Secretaria do Meio Ambiente, Secretaria de Planejamento e Casa da Capoeira transformar o espaço antes inutilizado em uma área de lazer e atividades físicas, oferecendo à população dos bairros vizinhos um espaço agradável para convivência e desenvolvimento de hábitos saudáveis. O projeto prevê a manutenção de quase a totalidade das árvores nativas presentes na praça e o mínimo de impermeabilização do solo, tendo assim baixíssimo impacto ambiental.
A praça possui 4.510m² e sua topografia e arborização favorecem a instalação de pista para bicicross, espaço para caminhada, áreas de convivência e playground, no formato de roda de capoeira. “Estamos contando com a colaboração da comunidade da região para a conservação de um espaço público que está sendo criado com base na preservação da cultura nacional e do meio ambiente, e que poderemos todos desfrutar junto com nossas famílias”, salienta Alberto de Carvalho Pereira Sobrinho, responsável pela Fundação Casa da Capoeira.
Mestre Bimba, que nasceu em 1900 e morreu em 1974, conviveu com os capoeiristas antigos na Bahia e com eles aprendeu a “capoeira primitiva”, quando esta era proibida pelo Código Penal e perseguida pela polícia. Ele percebeu que a manifestação estava ficando folclorizada, reduzida à meia dúzia de movimentos, e assim, perdendo o seu poder e força como luta.
Foi ele quem abriu a primeira academia de capoeira (que proibida, ele chamava de “luta regional baiana”), criou um método de ensino, um sistema de graduação, toques específicos de berimbau, rituais de batizado, formatura e especialização. A capoeira hoje é praticada em 162 países dos 5 continentes.

Fonte: Jornal da Cidade de Bauru