Tradição, culinária, cultura, saber e sabor: esta quitanda tem história

clip_image001Tradição, Culinária, Cultura, Saber e Sabor: esta quitanda tem história.                                                                       Quitanda do Saber, assim é denominado o evento de uma importante personalidade da culinária baiana, pois, trinta e cincos anos de dedicação não são trinta e cinco dias. Deste modo é celebrado em sua sexta edição uma das feijoadas mais prestigiadas da Bahia.                                                           É a culinária afrobaiana da Senhora Alaíde do Feijão, que este ano traz um diferencial por ser celebrada na véspera do Dia Internacional das Mulheres.

Dia em que as mulheres negras mobilizam-se para reafirmar que nós temos anseios, sim, em fazer parte de uma agenda nacional na qual constem políticas públicas não só para as mulheres, como para toda a comunidade negra deste país.

Até hoje percebemos o quanto os estereótipos estão engendrados na mente da sociedade brasileira, uma vez que, os meios de comunicação de um modo geral insistem em coisificar a mulher negra, deslegitimando o seu valor, ocultando as nossas referências, seja no espaço culinário, religioso, político ou acadêmico.

Esta manifestação cultural leva-nos a refletir sobre o quanto à diáspora é uma importante mediação para o processo de reconstrução e valorização da identidade feminina negra. É através dela que podemos compreender o valor cultural do legado das tradições herdadas nos terreiros de candomblé deixado pelas nossas ancestrais que vieram de África e, aqui na América, viveram em condições subumanas, porém com muita luta e resistência.

Leia abaixo trecho da conversa que tive com Alaíde do Feijão, especialmente para o correio Nagô.

Ana Paula Pereira: O que representa estes 35 anos de dedicação à culinária?

Alaíde do Feijão: Representa a continuidade da profissão que eu herdei da minha mãe. Nós tínhamos um tabuleiro ambulante e com a reforma do Centro Histórico eu consegui este espaço que era um restaurante bem pequeninho, só tinham três mesas. E hoje nós temos um espaço que cabe quase trinta mesas e que eu faço como muito carinho, com muita dedicação. Foi tudo que minha mãe me deu!Foi tudo que ela me ensinou e eu pretendo passar isso para meus filhos.

APP: E o Dia Internacional da Mulher?

Alaíde do Feijão: pra mim é muito importante, pois o Dia da Mulher é todo dia!!

APP: Fale-nos um pouco da Quitanda do Saber?

Alaíde do Feijão: A Quitanda do Saber é uma continuidade do projeto de Oficina da culinária afro-baiana, que venho oferecendo. O nome é porque a minha geração é uma geração da quitanda! Então eu pretendo mostrar pros jovens nossos valores que estão se perdendo. Eu pretendo dar continuidade ao projeto da culinária afro-baiana, mostrando como eu comecei. Comprando, escolhendo, pesando! E ter o saber do sabor, esta é a minha proposta.

O que? Quitanda do Saber (Feijoada de Alaíde do Feijão)

Onde? Praça Tereza Batista

Horário: A partir das 13h

Valor? R$ 50,00 (camisa solidária)

Observação: Parte da renda será destinada à Escola Mãe Hilda, obra social do Ilê Aiyê.

Ana Paula Pereira paulapfanon@hotmail.com