Morre no Rio Grande do Sul idealizador do Dia da Consciência Negra

Da Agência Brasil1814MC557.image_materia_vertical

Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Brasília - O movimento negro gaúcho está de luto. Morreu na noite de quinta-feira (1º), aos 67 anos, o professor, poeta e pesquisador Oliveira Ferreira da Silveira, um dos idealizadores do Dia da Consciência Negra – 20 de novembro, data da morte da morte de Zumbi do s Palmares.

Vítima de câncer, Oliveira Silveira estava internado há 15 dias no Hospital Ernesto Dornelles, em Porto Alegre, e seu corpo foi levado para Caxias do Sul, na Serra Gaúcha, para ser cremado.

Natural de Rosário do Sul, Oliveira Silveira era formado em letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com especialização em língua francesa, e professor aposentado da rede pública de ensino. Autor de vários livros, ele também foi integrante do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

No ano passado, durante as comemorações do Dia Nacional da Consciência Negra, Oliveira Silveira foi entrevistado pela Agência Brasil. Na entrevista, ele explicou por que um grupo de negros decidiu, em 1971, criar uma data para reverenciar Zumbi e o Quilombo do Palmares, em substituição ao 13 de Maio, Dia da Abolição da Escravatura, assinada pela princesa Isabel em 1888:

- Estávamos insatisfeitos com o 13 de maio. Havia um grupo de negros que se reunia na Rua da Praia [no centro de Porto Alegre] e o nosso assunto, invariavelmente, era a questão negra e o fato de o 13 de maio não ter maior significação para nós. Logo, surgiu a idéia de que era preciso encontrar outra data.

A data escolhida foi o 20 de novembro. "Como gostava de pesquisar, aprofundei-me nisso. E encontrei material, cuja fonte era Édison Carneiro, autor do livro O Quilombo dos Palmares, indicando que Zumbi dos Palmares havia sido morto em 20 de novembro [de 1695]. Essa informação foi confirmada no livro As Guerras dos Palmares, do português Ernesto Ennes, no qual foram transcritos documentos. Já que não sabíamos o dia de seu nascimento ou do início de Palmares, tínhamos pelo menos a data da morte de Zumbi, o último rei do Quilombo de Palmares, em Alagoas. Então, promovemos uma reunião, que originou o Grupo Cultural Palmares, cuja idéia era fazer um trabalho para reverenciar Palmares e Zumbi como algo mais representativo que 13 de maio", lembrou Oliveira Silveira.

Em meados dos anos 70, recordou o poeta, a data também começou a ser comemorada em São Paulo e no Rio de Janeiro. No final de 1978, a assembléia do Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial (MNUDR), realizada na Bahia, aprovou o 20 de novembro como dia oficial de celebração da comunidade negra brasileira.

Fonte: Agência Brasil