Grupo de Jongo Tambores da Machadinha, de Quissamã, abre a programação da 2ª Mostra do Filme Ambiental e Etnográfico de Rio das Ostras

Cachambu e Candongueiro

Os instrumentos de batuque marcam o ritmo da dança africana vinda para o Brasil a quinhentos anos, do Reino do Congo. O Jongo caracteriza-se pelas cantorias entoadas pelos negros escravos compassadas com o toque das mãos no tambor de couro, o caxambú - tambor grave - e o candangueiro, o tambor agudo. Arrastando os pés no chão, em dupla, ou sozinhos rodeados, homens e mulheres batiam palmas atualizando a dança africana e o lamento dos negros escravizados nas senzalas do sudeste brasileiro.

Como células vivas disseminadas nessa região, o jongo está ressurgindo através da prática da expressão cultural de comunidades remanescentes de quilombos em Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo e Rio de Janeiro. E é em Quissamã, cidade do norte-fluminense do estado do Rio, próxima a Rio das Ostras, que os descendentes de africanos da Machadinha reatualizam o jongo, tradição hoje manifestada pela sexta geração dos escravos que ali trabalhavam na lavora de cana-de-açúcar.

Confira a programação completa no www.mfaero.blogspot.com

Maiores informações:

Leonor Bianchi

ImprensaBR

imprensabr@gmail.com

22 9903-8733

229987-6908